Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Couro e Cabelo

Luta contra a alopécia: partilha de experiências e informações.

Couro e Cabelo

Luta contra a alopécia: partilha de experiências e informações.

Queda de cabelo após a gravidez

Fui mãe do meu 2ª filho. Eu que tenho Alopecia Androgenética, durante a gravidez passei por um período "abençoado". Mais cabelo, com mais corpo, brilhante,... mas infelizmente foi "sol de pouca dura".
Aproximadamente 3 meses depois do parto, o meu cabelo começou a cair...
 

A queda de cabelo é comum após a gravidez e pode ser muito angustiante. Normalmente ocorre entre 3 meses e 6 meses e pode durar mais 6 meses. O termo médico é “eflúvio telógeno pós-parto”. Pesquisas atuais culpam a diminuição de hormonas, especialmente o estrogênio, após o parto, causam a queda de cabelo. Esta queda não está relacionada com a amamentação.

 

Alopecia pós parto (https://bit.ly/2O2xmfE)
 
Por que a perda de cabelo ocorre após a gravidez?
Para entender por que a perda de cabelo ocorre após o parto, é importante entender como o cabelo cresce normalmente e as mudanças que ocorrem durante a gravidez:
 
 
Antes da gravidez
Cerca de 85-90% dos cabelos estão em fase de crescimento: ativo. Estes fios em crescimento aumentam de tamanho em 1 cm por mês.
Cerca de 10-15% dos cabelos no couro cabeludo na fase de descanso: inativo. Esses fios estão se preparando para a queda natural.
Para a maioria das mulheres, isso significa que existem cerca de 100.000 fios de cabelo no couro cabeludo e, que, diariamente entre 50 a 100 fios de cabelo caiem naturalmente.
 
 
Durante a gravidez
Devido ao aumento dos níveis de estrogénio, cada vez menos cabelos caiem do couro cabeludo a cada dia que passa. Mais cabelos se acumulam na fase de crescimento ativo.
Isso significa que o número total de cabelos no couro cabeludo na verdade aumenta durante a gravidez. A contagem de cabelos pode subir de 100.000 para 110.000 cabelos. O resultado é um cabelo mais espesso e mais denso. 
 
 
Depois do parto
Uma diminuição hormonal, especialmente estrogénio e progesterona, faz com que o equilíbrio entre o crescimento e a queda de cabelos seja novamente interrompido em um esforço para retornar aos padrões pré-gravidez.
Mais e mais fios de cabelo passam da fase de crescimento para a fase de queda. O resultado é o aumento da queda de cabelo - geralmente em todo o couro cabeludo.
Este fenómeno ocorre tipicamente em torno de 3-4 meses após o parto.
O crescimento total do cabelo deve ocorrer por 12 meses. Uma pequena proporção de mulheres notará que a densidade do cabelo permanece menor do que antes da gravidez.
 
 
O que acontece nesta fase do pós parto é apenas um reajuste hormonal e a queda de cabelo é um fenômeno completamente normal, e não há tratamento ou cura para a queda de cabelo pós-parto. 
Deverá falar com o seu Médico de Família ou Ginecologista sobre o assunto e por precaução, muitos profissionais pedem exames de sangue para verificar se os níveis de ferro e tiróide estão normais.
Ao contrário do que muitas vezes se pensa, a amamentação não está diretamente relacionada com este tipo de queda de cabelo.

Muito raramente, a queda de cabelo pode se estender para 15 meses. Se a queda de cabelo não parar, deve procurar ajuda de um médico Dermatologista - Tricologista pode estar com outra causa para a queda de cabelo: Alopecia.

Não se auto-medique, se tem alguma preocupação, dúvida, insegurança, fale com o seu médico.

A queda de cabelo durante a gravidez NÃO é normal. Deve procurar orientação médica.

Se foi mãe recentemente, MUITOS PARABÉNS! 

Tudo o que precisa de saber sobre: Ciproterona

Título.jpg

 

 

Ciproterona é um derivado de progesterona, foi o primeiro antiandrógeno introduzido para uso clínico, desde 1964. Foi aprovada para o tratamento de cancro da próstata, puberdade precoce, doenças dermatológicas relacionadas a andrógenos (como acne, seborreia, hirsutismo e alopecia androgénica) e reduzir o desejo sexual de agressores sexuais. Combinado com etinilestradiol é usado como contracetivo oral desde 1997.

Ciproterona inibe a ligação dos andrógenos aos recetores da glândula sebácea, impedindo a passagem da testosterona para a di-hidrotestosterona (DHT) e diminuindo a produção de sebo.

 

Antes de avançar, nunca é demais lembrar que qualquer tratamento deve sempre ser prescrito e acompanhado por um médico, que é responsável pela avaliação dos riscos associados ao seu caso e pela avaliação da sua saúde durante o tratamento.

 

 

NUNCA opte por auto medicar-se.

 

 

 

Como funciona

A testosterona é considerada a principal hormona masculina. Ela é produzida principalmente nos testículos, mas também em menores quantidades nos ovários das mulheres, e em ambos os sexos nas glândulas adrenais (ou suprarrenais).

A testosterona tem diversas funções no organismo. Ela promove o desenvolvimento do sistema reprodutor masculino do feto dentro do útero, as mudanças pelas quais os meninos passam durante a puberdade, incentiva o crescimento muscular, a conservação da densidade dos ossos, interfere nos níveis de energia e atividade física, no desejo sexual, na agressividade e em diversos outros aspetos.

Em algumas partes do corpo, como a próstata e os folículos capilares (estruturas onde os fios de cabelo são produzidos), cerca de 5% da testosterona corporal é convertida em di-hidrotestosterona (DHT), uma espécie de versão mais forte da hormona, pode ser de 2 a 5 vezes mais forte que a testosterona).

A di-hidrotestosterona (DHT) é fundamental para a formação do feto masculino (mais importante que a própria testosterona), participa do amadurecimento do sistema sexual dos homens durante a adolescência e regula o funcionamento da próstata, mas não parece ter muita influência sobre o crescimento muscular, a densidade óssea e outros sistemas onde a testosterona interfere.

O problema é que a di-hidrotestosterona (DHT) também pode fazer os cabelos caírem.
A hormona se conecta aos recetores androgénicos (5α-redutase) presentes nos folículos capilares e faz com que a fase de crescimento do cabelo fique cada vez menor, reduzindo progressivamente o diâmetro e a atividade dos folículos, podendo chegar ao ponto de fazer com que eles parem completamente.

 

 

Os resultados
 

Ciproterona pode ter um efeito inibitório leve sobre a 5α-redutase, mas quando combinado com um inibidor seletivo da 5α-redutase forte como é o caso da Finasterida ou Dutasterida, proporciona uma melhoria significativa na eficácia no tratamento.

 

 

 

Efeitos Colaterais

Como todos os medicamentos, apresenta alguns efeitos colaterais, entre os quais:

  • A utilização prolongada (anos) de Ciproterona a 25 mg/dia e em dosagens superiores pode levar a meningiomas.
  • O tratamento com altas doses da droga pode reduzir a função cortical adrenal.
  • Pode-se observar lassidão, diminuição da vitalidade e, ocasionalmente, agitação interna transitória ou humor deprimido.
  • Podem ocorrer variações no peso corporal.

 

 

Nos Homens

  • Reduz o impulso sexual e a potência e inibe a função das gónadas. Estas alterações são reversíveis após a descontinuação da terapêutica.
  • Devido ao seu efeito antiandrogénico e antigonadotrófico, inibe a produção de espermatozoides (espermatogénese) no decurso de várias semanas. A espermatogénese é recuperada gradualmente dentro de poucos meses após a descontinuação da terapêutica.
  • Pode levar ao inchaço da glândula mamária (chamada ginecomastia, por vezes associada a uma hipersensibilidade mamilar ao tato), que habitualmente regride após a descontinuação da terapêutica.
  • A carência androgénica prolongada pode, tal como acontece com outros tratamentos antiandrogénicos, originar osteoporose.

 

 

Nas Mulheres

 

  • Nas mulheres, a ovulação é inibida pelo tratamento combinado, existindo, por isso, uma situação de infertilidade que é reversível após a descontinuação da terapêutica.

 

 
 

Outros tratamentos contra Alopecia Androgenética

 
 

 

Já tomou Ciproterona?
Conte-nos a sua experiência, poderá ser muito útil para quem está agora a começar a sua luta contra a alopecia.

 

 

Aviso: Todas as publicações no Couro e Cabelo são apenas partilhas de experiências e informações. Qualquer tratamento deve sempre ser prescrito e acompanhado por um médico.

 

 

Dia do PAI!

Dia do pai título blog.png

 

Sendo hoje o Dia do Pai (em Portugal é celebrado no dia 19 de março, no Brasil é celebrado no 2º domingo de agosto, nos Estados Unidos e Inglaterra é celebrado no 3º domingo de junho...), e como não podia deixar de homenagear esta figura familiar paterna, hoje irei apenas debruçar-me sobre calvície masculina.

 

Apesar das causas que provocam a calvície (alopecia), serem muito semelhantes entre homens e mulheres, a alopecia androgenética, ou padrão de calvície masculino, é a causa mais comum da queda de cabelo entre os homens.

A calvície masculina é padronizada e previsível: começa habitualmente com um recuo da linha do cabelo nas têmporas, as chamadas "entradas", que depois alastra à coroa da cabeça, dando origem a uma mancha de calvície que vai aumentando progressivamente.

sb2a.jpg

Mas afinal o que é a Alopecia Androgenética?


Em algumas partes do corpo (a próstata, testículos, glândulas suprarrenais e folículos capilares), uma enzima chamada 5α-redutase transforma a testosterona numa versão bem mais forte: o hormona di-hidrotestosterona (DHT).

No couro cabeludo, o DHT provoca a miniaturização folicular: no ciclo de vida do cabelo, em cada ciclo que se inicia os folículos capilares vão diminuindo de tamanho, tornando o fio de cabelo cada vez mais fino. A fase de crescimento do cabelo (anagénica) fica cada vez mais curta, as fases de descanso (catagénica e telogénica) prolongam-se. Uma vez que a duração da fase anágenica é o que influencia o comprimento do cabelo, o comprimento máximo do novo pelo em fase anágenica é menor do que o pela anterior. Eventualmente, a fase anágenica é tão curta que o pelo acaba por nem alcançar a superfície da pele, e o único sinal da presença do folículo é um poro e os fios podendo parar de nascer por completo.

 

hombre-controla-caida-cabello_87414-865.jpg

Na maioria dos casos é a hereditariedade de impera, no entanto, a Alopecia Androgenética pode dever-se a causas hormonais específica, stress ou doença.

É mais comum a partir dos 25 anos, mas ocorre também em homens mais jovens.

 

O cabelo, como qualquer parte do nosso corpo, também reflete o nosso estilo de vida e qualquer pessoa, homem ou mulher, que goste de se sentir bem, o cabelo sará uma das suas prioridades.

 

Existem vários tratamentos disponíveis para manter a saúde do seu Couro e Cabelo, por isso, não desista, estamos nesta luta juntos!

 
 
 

Tratamento.png

 

 

 

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Siguir-me

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub